[ editar artigo]

Anamnese - o primeiro passo para ajudar qualquer criança a aprender

Anamnese - o primeiro passo para ajudar qualquer criança a aprender

Hoje quero falar sobre a importância de uma anamnese escolar. Clinicamente falando existe uma importância muito grande. Quero falar pra vocês o que é uma anamnese, porque que ela é importante e o que deve ter.

Sou Carla Silva, psicopedagoga e amo o que faço. Enquanto professora atuei durante muitos anos em todos os segmentos e hoje minha principal atuação profissional se prioriza na capacitação de professores e no trabalho com a psicopedagogia,  além de trazer esse conhecimento que certamente irá agregar muito a  sua vida.

Quando se fala de anamnese escolar, primeiramente precisamos trazer seu conceito: anamnese escolar é um questionário que é realizado com uma finalidade específica, conhecer a criança, seja ela de educação infantil ou do ensino fundamental.

Uma anamnese escolar é um documento importantíssimo para conhecermos a criança, não a nível de identificação, pois não quero só identificar essa criança, seu nome, quantos anos tem, enfim a anamnese é um documento muito sério que atualmente algumas escolas não têm utilizado, talvez por desconhecimento ou por achar que isso não seja algo relevante. 

Quando uma criança entra na escola, em qualquer fase, ela traz muitas informações importantes que se negligenciadas, por parte da escola e dos professores, não vamos conseguir entender o que se passa, no caso de uma dificuldade de aprendizagem ou de uma observação de um comportamento que não esteja adequado para esse desenvolvimento. Ter informações certas e precisas é muito importante para que a escola e o professor, que acompanham essa criança, tenham um respaldo, um olhar diferenciado, e que possam  compreender melhor os motivos dela está apresentando certa dificuldade ou até mesmo algum comportamento não esperado.

Anamnese é uma lista de perguntas específicas que analisam sobre o desenvolvimento da criança, levantando em consideração os principais aspectos de sua vida.

Em uma anamnese deve-se conter tópicos importantíssimos a serem pesquisados. Assim que a criança ingressa na escola ela deve vir acompanhada desse cuidado.

Essa anamnese pode ser feita pelo professor da turma, pelo orientador educacional, pelo psicólogo ou psicopedagogo, em caso de escolas que tenham esses profissionais, para assim direcionar as perguntas de modo que a família possa ser acessada através dessas informações.

No início do ano fui contratada por uma instituição para fazer anamnese de crianças que estavam recém-chegadas na escola, crianças com laudos e com diagnósticos. A anamnese foi totalmente direcionada para um olhar apurado onde pude coletar dados e informações para que a escola pudesse se respaldar no cuidado com essas crianças que ali chegaram. Ter um olhar cuidadoso nesse momento de chegada é muito importante para o desenvolvimento das crianças.

A importância da anamnese é entender o que essa criança traz de desenvolvimento, como que ela chegou até o professor e o que passou envolvendo toda a questão histórica de sua vida. Primeira coisa que precisamos destacar é o histórico do desempenho escolar, caso ela venha de outra instituição de ensino. É preciso saber como essa criança se desenvolveu em determinada instituição que tenha estudado, se houve algum momento em que teve certa dificuldade no relacionamento ou em sua aprendizagem. No caso de crianças da educação infantil é preciso saber como ela interagia no outro ambiente, quais motivos levaram à troca da escola, o que o pai busca nesse novo espaço em que essa criança está sendo inserida. É preciso ter um cuidado para entender como ela está chegando, porque ela chegou à sua instituição e que motivos levaram a família a escolher esta escola para que ela pudesse ser matriculada. Esse é um breve histórico para compreender os motivos que essa criança chega  à escola.

O segundo tópico que é muito importante é entender o histórico familiar dessa criança. Verificar se na família possuem casos de síndromes, depressão, transtornos de aprendizagem, se existe algum histórico dessas dificuldades tanto pelo lado paterno quanto materno ou se tem casos de autismo ou esquizofrenia.

Muitas pessoas acreditam que a anamnese com esse teor parece uma invasão a privacidade da família, mas na verdade isso é realizado para buscar compreender ou caso essa criança venha a apresentar algum comportamento destoante do seu desenvolvimento. Se uma família apresenta uma questão hereditária marcada por síndromes ou transtornos é importante observar bem essa criança porque qualquer alteração no seu desenvolvimento pode ser devido a esta questão, podendo carregar com ela também algum tipo de sinal. Assim devemos estar em alerta para caso necessário seja realizada uma intervenção. Isto é apenas para alertar, para entender o que se passa.

A escola não diagnostica, mas levanta dados importantíssimos para entender como essa criança esta se desenvolvendo. É importante saber como são os hábitos dessa criança em casa, se tem rotina, como são os horários de dormir e acordar, como ela age, de maneira mais produtiva, nas questões do dia a dia, se obedece e cumpre regras e se a família estabelece essas regras, limites e rotina. Dependendo da cultura familiar, algumas crianças acabam dormindo muito tarde e precisam acordar no outro dia muito cedo para ir a aula. Quando chegam na escola estão dormindo ou não produzem  como deveria, não atingindo assim os objetivos propostos da turma.

Se você enquanto professor não sabe da realidade que muitas crianças vivem, não conseguirá nem mesmo direcionar a família estipular um novo horário de sono para essa criança ou então estarem optando pela mudança de horário na escola. Todo esse direcionamento é possível que seja feito, mas a escola precisa conhecer a criança, verificando suas individualidades, exemplo: se é uma criança que não tem horário, e as coisas acontecem no susto, quando ela está em um ambiente escolar onde possui regras, horários, tudo é muito sistematizado, ela poderá enfrentar problemas nessa inserção, nesse novo ambiente, então é importante entender como funciona a rotina dessa família para até mesmo como uma forma de orientá-los a uma mudança de hábitos que podem ser destrutivos nesse desenvolvimento no ambiente escolar.

Outra informação importante é sobre a gestação. É preciso entender como foi a gestação da criança, o parto, o período do pré-natal, se houve acompanhamento, alguma intercorrência a nível de diabetes gestacional, pressão alta, obesidade, descolamento de placenta, se a mãe fez uso de drogas ou álcool. É preciso conversar com a família com cuidado e paciência para que não se sintam agredidos ou pressionados, porém são informações muito úteis para entender sobre desenvolvimento e aprendizagem dessa criança, não se trata de uma invasão de privacidade e sim uma preocupação. Outras perguntas que podem ser feitas em relação ao parto é se a criança é prematura, se chorou ou não durante o nascimento, se estava em sofrimento fetal ao nascer, tudo isso interfere de forma considerável no desenvolvimento e na aprendizagem dessa criança.

Uma criança que nasce e não chora apresenta uma falta de oxigenação no cérebro nos primeiros momentos de vida e isso pode determinar dificuldades e transtornos de aprendizagem mais tarde. Existem crianças que nasceram assim e que se desenvolveram muito bem, falaram, andaram no tempo certo, mas em algum momento esses prejuízos podem aparecer, nada disso é regra, porém existem estudos que mostram a importância de uma gestação e de um parto saudável. Tudo precisa ser muito bem observado e esclarecido.

Em muitas escolas existem uma preocupação muito grande em relação às vacinas dos alunos, tiram cópia da parte da vacinação dessa criança, porém existem também na carteira de vacinação os dados do recém-nascido, que também deveriam ser copiados para fazer parte dessa  anamnese, deste documento. Que dados são esses? O peso, o apgar que é a primeira nota que essa criança recebe para avaliar os primeiros reflexos ao nascer e depois de cinco minutos é avaliada novamente nas mesmas questões. Costumo dizer que é a primeira nota que recebemos. Todas as informações estão presentes na caderneta de saúde da criança logo que ela nasce, nela possui todo o histórico que é fundamental para que possamos saber sobre os primeiros sinais de vida e o quanto isso está interferindo ou não nesse desenvolvimento.

Uma criança com apgar abaixo de sete é muito preocupante, significa que teve alguma intercorrência ao nascer, algo aconteceu durante o nascimento e essa criança não trouxe um bom desenvolvimento. Então, além de tirar uma cópia da parte das vacinas, é preciso que registrem também a parte do nascimento dessa criança para que a escola possa ter essas informações.

É preciso saber também em relação ao desenvolvimento neuropsicomotor, se essa criança andou, falou no tempo certo, engatinhou, se fez uso ou não de andador, porque quando a família faz uso desse aparelho na tentativa de ajudar essa criança a ter uma autonomia para andar, isso acaba sendo algo destrutivo para o seu desenvolvimento. Essas crianças precisam ter um desenvolvimento psicomotor e neuropsicomotor saudável, é preciso arrastar, engatinhar, rolar até que a estrutura corporal esteja plenamente preparada para que ela possa se levantar e dar os primeiros passos.  

Nessa fase do desenvolvimento a criança quer explorar o ambiente, quer andar, quer fazer o que não deve, colocar o dedo na tomada, ela quer descobrir e quando uma criança não busca essa interação com o ambiente, é importante que o professor sinalize e observe de quanto em quanto tempo ela irá reagir e avançar. Caso essa criança chegue à escola e isso não aconteça, a orientação a família a buscar ajuda profissional para avaliar esse comportamento é fundamental.

É importante também entender como essa criança interage com seus pares fora da escola. Se ela nunca foi a um ambiente escolar, é preciso observar como ela reage dentro de uma festinha de aniversário, na pracinha, como que brinca com seus amigos, como é sua interação, suas preferências de brincadeiras, tudo isso faz parte da anamnese e é algo imprescindível. Quando uma criança que fica em período integral na escola, fica longe do seu ambiente costumeiro que é o ambiente de casa, essas crianças muitas vezes para não se sentirem tão sozinhas e longe dos pais é importante que ela leve algo de casa como referência. É importante que o professor entenda suas preferências para que possa estar analisando o bem estar dessas crianças.

Tive um aluno que possuía alergia a balão de aniversário, ele sempre ficava empolado e a sua garganta fechava por causa do cheiro. Imagine se a mãe não tivesse me informado dessa situação, eu poderia estar produzindo uma atividade qualquer na sala de aula usando balões e essa criança poderia vir a ter um problema sério de saúde. São perguntas que parecem irrelevantes, mas esse registro resguarda a escola, a criança e o seu trabalho enquanto profissional.  

Sendo a anamnese um contato inicial da escola com o responsável, o objetivo principal é trazer segurança a ele porque o seu bem mais precioso será entregue a você enquanto professor durante um período do dia. Talvez o responsável possa não entender o motivo dessa sabatina de perguntas, porém é necessário que seja explicado o motivo e que isso é necessário para que o professor possa estar verdadeiramente acompanhando essa criança em seu desenvolvimento.

Outra situação importante é que se a escola propuser a fazer uma anamnese, ela deve acompanhar essa criança a cada ano e se necessário fazer alterações no decorrer do tempo. Às vezes uma criança entra na escola e está tudo bem na família, os pais moram juntos, porém em determinado  momento os pais se separam e ela começa a mudar seu comportamento. O professor que não conhece essa história ao pegar essa anamnese para verificar se existe algo que possa justificar esse comportamento, e não tem uma informação atualizada, e isso pode até fazer com que ele tenha dificuldades de evidenciar algo que possa estar justificando esse comportamento e até mesmo o interesse pela aprendizagem.

Assim, a anamnese é um documento que acompanha o aluno e precisa ser atualizado ano após ano. Cada turma pode ter a sua pasta de anamnese atualizada e no próximo ano essas informações devem ser passadas para o professor que ficará com estes alunos. Se isso não acontece, existe uma interrupção no conhecimento dessas crianças e o professor acaba não compreendendo como elas chegaram até ele, o que passaram durante a educação infantil, quais foram os principais fatos que aconteceram, enfim, tudo isso precisa estar registrado e atualizado, são documentos que devem acompanhar as crianças.

Não é admitido que uma anamnese de uma criança vire arquivo, não é para juntar papel na escola, anamnese foi feita para acompanhar, não deve ficar na secretaria da escola e muito menos no arquivo.  Ela precisa ficar numa pasta e que esta acompanhe a criança durante sua vida escolar, pois isso facilitará em tudo, no atendimento e na compreensão do desenvolvimento dessas crianças.

Outra situação que gostaria de colocar é que se essa anamnese não pode acompanhar o professor em sala de aula por questões burocráticas da própria escola, pelo menos deve está acessível a ele sempre que necessário. Ao preenchê-la o professor ou outro profissional que for destinado para fazer a entrevista, deve-se ter um certo cuidado e zelo no atendimento, não pode ser feito uma anamnese onde o avaliador entrega uma folha para o pai e ele preenche, o professor é quem vai conduzir e ficar com a folha, acompanhando,  perguntando, direcionando e colocando as informações que os pais trazem.

Se for uma criança que já chega na escola com diagnóstico, com um laudo de acompanhamento é importante que seja anexado a essa anamnese, pois muitas crianças que possuem laudo, que já foram apresentados  as escolas, já foi feito uma entrevista tanto com os pais quanto com os profissionais que atendem a atendem. Quando ela muda para o próximo ano de escolaridade algumas vezes parece que a escola tem um novo aluno e na verdade, uma vez que algumas informações foram passadas, elas só precisam ser repassadas, não precisam ser guardadas ou esquecidas, precisam acompanhar este aluno. Algumas vezes, o pai ou a mãe que possuem filhos com alguma necessidade especial, com algum transtorno de aprendizagem ou desenvolvimento acabam se desgastando muito todo início de ano, pois são chamados na escola para falar das mesmas coisas, pedem os mesmos relatórios, assim esse desgaste acaba sendo desnecessário. O que devemos fazer é trabalhar com a atualização destes dados e não com uma anamnese como se a criança tivesse entrado na escola naquele dia. Isso mostra para os responsáveis até uma falta de zelo por parte da escola.

Vale ressaltar que as informações de uma anamnese não devem ser comentadas nos corredores da escola, é uma informação do seu aluno, seja ético, dedicado, zeloso e saiba usar esses dados para observar e acompanhar essa criança. Não adianta fazer uma anamnese para ficar esquecida no seu armário ou no arquivo da escola, todo olhar para o desenvolvimento deve ser feito e apurado. Uma anamnese bem feita por um profissional pode conduzir uma criança a ser encaminhada cada vez mais cedo para uma avaliação, onde possa ser estimulada precocemente e diminuindo assim riscos de problemas futuros.

É preciso ter um olhar sensível para trazer grandes esclarecimentos sobre o rendimento dessa criança tanto na aprendizagem quanto no emocional, no comportamental, isso é muito importante.

Se você professor, gestor, não tem costume de fazer, faça, e se você que é pai ou mãe e sabe que o seu filho teve em alguma etapa da vida, tanto na gestação quanto no desenvolvimento, até mesmo questões hereditárias e a escola ainda não perguntou sobre isso, não espere, marque um horário com a coordenadora e leve as informações sobre seu filho, não escondam nada em relação a isso, porque você pode está atrasando o desenvolvimento dele. Se a escola já perguntou sobre as informações e você omitiu dados importantes, fale, se a escola pediu é porque ela está sabendo que algo pode ser explicado através de determinada informação. Então não hesite em dar essas informações. Existem pais que escondem que a criança está fazendo acompanhamento psicopedagógico, psicológico, fonoaudiológico, enfim nós precisamos estar juntos nessa situação para o melhor desenvolvimento das crianças e de sua aprendizagem.

 

Alfabetizadores.com
Carla Silva
Carla Silva Seguir

Sou Carla Silva, tenho mais de 20 anos de experiência na educação como professora alfabetizadora, atuando na pré-escola, coordenadora pedagógica, professora no ensino Fundamental I e II, palestrante, assessoria pedagógica de professores e escolas, e

Ler conteúdo completo
Indicados para você